Explorando Mechelen, a antiga capital dos Países Baixos

Localizada no meio do caminho entre Bruxelas e Antuérpia, Mechelen é uma cidade que fica na região de Flandres (a região que fala holandês na Bélgica). Pouco conhecida por turistas, é uma boa pedida para um bate-volta a partir de Bruxelas, já que a curta viagem, que leva cerca de 20 minutos, oferece várias surpresas aos visitantes.

Assim como outras cidades da região, Mechelen (ou em francês Malines) foi uma importante cidade desde o século XII. Su relevância se deveu principalmente ao Dyle, um importante rio da região, que servia para navegar e transportar mercadorias desde a Idade Média.

A cidade floresceu mais ainda quando foi escolhida, em 1473, para ser a sede do Parlamento dos Países Baixos, tornando-se a capital do reino, status que durou cerca de 300 anos. Por conta dessa relevância para a região, a cidade conta hoje com diversos belos edifícios que remontam a essa época.

Atualmente, Mechelen é uma cidade pequena, com pouco mais de 80.000 habitantes, que perdeu grande parte de sua relevância econômica e política para a região. Felizmente, porém, o seu período de prosperidade deixou muitos legados, que podem ser admirados pelos que visitam a cidade.

Vamos, então, aos principais destaques de Mechelen:

Grote Markt (Grand Place)

Assim como outras cidades do norte da Bélgica (como Leuven, Brugge e Ghent), o ponto mais imponente da cidade é a praça central, em holandês, Grote Markt. O principal prédio da praça é a sede da prefeitura (Stadhuis), cuja construção começou em 1526 e só foi finalizada 350 anos depois, em 1911. Sua fachada gótica é impressionante e cheia de detalhes. Outro prédio com destaque é o Schepenhuis, edifício que abrigava uma corte de justiça e que hoje hospeda um museu municipal.

Catedral de São Romualdo (Sint-Romboutskathedraal)

Bem próxima à praça central, a catedral da cidade, também em estilo gótico, é bastante imponente. Construída a partir do século XII, conta com diversas pinturas e esculturas de famosos artistas flamengos, como o onipresente Rubens. Além disso, também conta com uma torre de 97 metros de altura, que oferece uma vista completa da cidade. Infelizmente, devido ao corona, o acesso está fechado no momento…

Groot Begijnhof (Grand Béguinage)

De forma similar a outras cidades da região, Mechelen conta com um Béguinage para chamar de seu. Fundado em 1259, sua principal função era abrigar uma comunidade de mulheres religiosas que viviam sem fazer votos ou se afastar da sociedade. Suas ruelas são muito especiais e as casas ali têm muito charme. Além de uma igreja do século XVII, a grande Béguinage de Mechelen não conta com locais muito destacados. Por conta disso, a melhor maneira de explorar o local é caminhando e explorando suas ruas. Vale lembrar que, juntamente com outros 12 Béguinages espalhados pela Bélgica, faz parte de Patrimônios da Humanidade da UNESCO.

Além da Grande Béguinage, Mechelen conta ainda com a Klein Begijnhof (Petit Béguinage), um outro local, ainda mais antigo, em que essas mulheres religiosas viviam. Fica perto da igreja gótica de Santa Catarina (Sint Kateliknekerk).

Ao longo do rio Dyle

Além de caminhar e explorar o centro histórico, uma caminhada ao longo das margens do rio Dyle também é um passeio imperdível em Mechelen. Lembra bastante os famosos canais de Amsterdam, com casas estando construídas basicamente no rio. A cidade ainda conta com pontes bastante antigas e muito fotogênicas.

Outras atrações

Como passei apenas algumas horas em Mechelen, não tive tempo de conhecer os museus que a cidade oferece, como o interessantes Museu judeu da deportação e resistência e Museu dos Bringquedos, e a Manufatura real de tapeçaria De Wit, instituição que conta a história dos famosos tapetes flamengos.

Visão geral

Mechelen foi uma grata surpresa. Como não é muito conhecida e raramente figura nos guias de viagem, praticamente não há turistas na cidade. Apesar disso, me pareceu uma cidade muito autêntica e com diversas atrações, ideais para serem exploradas em um bate-volta a partir de Bruxelas. Com um bela arquitetura, uma história rica e diversos pontos bastante bonitos e interessantes, é uma cidade que posso recomendar àqueles que visitam a Bélgica. Sem dúvidas, vale a pena!

Para dicas de outros destinos belgas, veja também os posts de BruxelasNamur, Brugges, Liège, Ghent, Durbuy e Leuven.

No caso de dúvidas ou sugestões, pode deixar um comentário aqui embaixo, que responderei assim que possível.

Aproveite também para seguir o perfil deste blog no Instagram: @mochila.raiz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s